Pages Navigation Menu

il contenitore dell'informazione e della controinformazione

.

L’incendio in Portogallo

Un giorno prima del tragico incendio di Pedrogäo, in Portogallo, ANTENA 21 pubblicó questo articolo…che spiega, se non tutto, molte cose. Conoscendo i fatti, i come e i perché… ancora una volta emerge il cinismo che inesorabilmente ammanta le facce contrite, le parole d circostanza, gli abbracci…

 

ANTENA 21

INCÊNDIOS (Vergonhoso)
Kamov no chão, faúlhas no ar

Pelo terceiro verão consecutivo, a frota está reduzida a metade. Um problema que arde em lume brando

Tem mais de uma década a saga dos helicópteros Kamov que o Estado comprou para enfrentar os fogos de verão — e este é mais um ano que aquelas aeronaves pesadas, de fabrico russo, estão envoltas em polémica. À semelhança do que aconteceu em 2015 e 2016, também agora só metade da frota pode voar. Entre especialistas e agentes do sector (sobretudo junto dos bombeiros) há críticas sobre uma afetação da capacidade operacional no combate aos incêndios, mas para o Governo “não há qualquer limitação”.

O plano de voo da opção do Governo (dos vários executivos, ao longo dos anos) pela compra e gestão dos helicópteros pesados é algo, aliás, que rara vezes foi cumprido, tendo sido bastantes os desvios (ver texto ao lado). Agora, não havendo propriamente novidades, o facto digno de nota é que continuam por reparar duas das aeronaves. Na melhor da hipóteses isso só acontecerá, segundo garantia do Governo, “em outubro ou novembro” (sempre depois da época dos fogos, portanto). A responsabilidade pelo estado a que chegaram aqueles dois Kamov foi atribuída à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), que antes pretendera imputar esse ónus à anterior empresa que operava com eles, a Heliportugal. Relativamente a um terceiro helicóptero (acidentado em 2012), sofreu “danos substanciais” e deverá ir para abate.

Com o período crítico do combate a incêndios à espreita (a fase Charlie, de 1 de julho a 30 de setembro), Jaime Marta Soares, presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, considera que a falta dos Kamov “é efetivamente um problema. Não saber quando há nem quando não há [disponibilidade de Kamov] é terrível para quem no terreno tem de definir uma estratégia operacional”, afirma.

O Ministério da Administração Interna (MAI), tutela da ANPC, nega que a redução da frota dos Kamov tenha reflexos na capacidade de combate aos incêndios. “Não há qualquer limitação operacional”, afirma o MAI. “O dispositivo de meios aéreos foi desenhado considerando a operacionalidade dos três Kamov”, diz fonte oficial, salientando que “a estratégia assenta na eficácia do ataque inicial [efetuada pelos helicópteros médios e ligeiros]” e na “capacidade de ataque ampliado”, efetuado quando os incêndios ganham maiores dimensões (além dos Kamov, o dispositivo de meios conta também com “dois aviões pesados anfíbios”, os Canadair, e “seis aviões médios anfíbios”).

António Louro, vice-presidente da Câmara de Mação (um dos concelhos mais fustigados pelos fogos florestais), diz que “já vai sendo tempo para tomar uma decisão” sobre os dois Kamov inoperacionais (em relação ao acidentado “compreende-se a situação”, afirma). Quanto à forma como tem sido feita a compensação dos Kamov em falta, explica que a “a substituição por um meio ligeiro não é equivalente”.

Domingos Xavier Viegas, professor da Universidade de Coimbra e especialista no combate a incêndios, é mais moderado nas críticas do que o responsável da Liga de Bombeiros. No entanto, deixa claro que a existência de “quatro ou cinco Kamov a funcionar ao mesmo tempo seria o ideal”, pelo facto de ser um helicóptero “mais ágil” e “ter mais capacidade de transporte de água do que um avião pesado”.

Não é tanto no volume de cada descarga que se faz a diferença entre um Kamov e um Canadair (cerca de cinco mil e de seis mil litros, respetivamente), mas na sua produtividade. Em certas situações, com a proximidade das fontes de água adequadas, um helicóptero consegue fazer muito mais abastecimentos do que um avião (e como tal despejar mais água sobre as chamas).

O especialista da Universidade de Coimbra está, todavia, longe de possuir uma crença absoluta na eficácia do uso de aviões e helicópteros. “Nos piores dias, por mais que tenhamos meios aéreos, eles nunca são suficientes. Em dias dias com 400, 550 e até 600 ignições, não há resposta possível”, afirma Xavier Viegas.

No mesmo comprimento de onda está Paulo Fernandes, outro especialista no combate a incêndios. “Os fogos em condições meteorológicas extremas são tão rápidos que a capacidade de os apagar, independentemente dos meios, é muito limitada”, diz o professor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, que de seguida dá uma noção da desproporção de forças em tais situações: “A capacidade de extinção de um meio aéreo pesado está limitada a 1/10 ou 1/20 da potencial intensidade energética de um incêndio.”

Domingos Xavier Viegas defende, no entanto, que Portugal “talvez precisasse de mais meios aéreos próprios” e sugere que a escolha devia recair em “aviões pesados, como os Canadair”. Mas comprar novos helicópteros ou aviões é algo fora dos planos do Governo: “Não está no horizonte a aquisição de mais meios aéreos”, afirma o MAI. A avaliar pelos Kamov parece ser boa estratégia para evitar novos problemas.

 

Sorgente: Face Book – Sónia Melo

Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
< >

Leave a Comment

Il tuo indirizzo email non sarà pubblicato. I campi obbligatori sono contrassegnati *

adv